sexta-feira, 22 de março de 2019

TRAGÉDIAS - CONVITES A CONVERSÃO

Nesse período de preparação para a Páscoa a Igreja nos propõe um tempo de penitência que nos ajude em nossa conversão pessoal. Quanto à essas penitências precisamos entender que se está sendo fácil é porque não estamos fazendo direito. Pois se não exige esforço, renúncia, mudança de hábitos, não é penitência. 

Viver de fato a Quaresma nunca é fácil porque exige mudar tudo aquilo que precisa ser mudado em nós.

Mudanças de comportamento sempre é difícil, pois, o modo de agir, é parte de quem somos de nossa personalidade, e tem gente que diz “eu sou assim mesmo, quem quiser gostar de mim tem que me aceitar como eu sou”. Mas na verdade nós não somos assim, nós estamos assim, sempre podemos mudar para ficar mais de acordo com o que Deus nos pede. 

O Evangelho nos fala de tragédias que aconteceram com alguns galileus. Nós brasileiros também passamos por tragédias terríveis esse ano: Brumadinho, os meninos do flamengo, os 14 que se afogaram com as enxurradas em São Paulo, as vítimas na escola de Suzano... 

Vemos muita gente querendo achar os culpados. Mas se pararmos para pensar achar o culpado vai reparar as perdas? Aliviar o sofrimento? Prevenir que isso não se repita? Será? Será que é possível fazer justiça nesses casos?

Concordo que temos que responsabilizar os verdadeiros culpados, mas o importante é enxergar a realidade como sinal, como aviso. Assim além de procurar culpados, deveríamos nos ocupar mais com a nossa conversão, estar preparados como nos aconselha Jesus. Pois quem está livre de uma tragédia como essa? Quem pode dizer que está seguro? Quem pode dizer que comigo não vai acontecer?

Foi nesse contexto que Jesus contou a parábola da figueira, para ensiná-los a se preocuparem mais em fazer o bem, produzir bons frutos.

A parábola da figueira quer mostrar como Deus é solidário e paciente. A figueira é uma árvore comum na Palestina, que produz quase o ano todo, naquele clima.

Nessa parábola a figueira representa o povo, todos nós. Quem Plantou a figueira, no caso o patrão é Deus Pai. O agricultor é Jesus. Os três anos é o período da pregação de Jesus, da qual se esperava frutos em abundância. O patrão é rigoroso na sua decisão, se não produzir frutos, vai arrancar a figueira, arvore ociosa que não produz frutos, não merece viver.

O mesmo vale para quem ouve a palavra de Jesus, mas não muda seus comportamentos, continua egoísta, impaciente, agressivo, intolerante, imoral, ou seja não produz frutos de conversão de vida nova, não merece a vida eterna no céu, como a figueira estéril será arrancado e lançado no fogo. 

No entanto o agricultor intervém, ele pede mais um tempo, vai adubar, vai cuidar, afofar a terra. Jesus é o agricultor, aposta nas pessoas, dando-lhe mais uma oportunidade de mudança. Deus é solidário e misericordioso, quer a salvação para todos. 

Estamos vivendo a quaresma, tempo de conversão, todos somos convidados mudanças para melhor. Infelizmente a maioria das pessoas passam pela quaresma sem mudar em nada. Ir à Igreja e não praticar a fé, e não produzindo frutos bons, conforme a vontade de Deus é ser igual à figueira que não dava frutos.

Vamos aproveitar esse tempo da quaresma, que é o tempo certo para mudanças. É o agricultor Jesus que com sua palavra e com seu corpo e sangue na Eucaristia aduba nossa vidas na fé, na esperança e no amor, para que possamos nos alimentar dele e ser também mais amorosos, mais fraternos, mais justos, mais solidários e misericordiosos.

Ainda é tempo vamos aproveitar esse tempo favorável.

quinta-feira, 14 de março de 2019

TRANSFIGURAÇÃO

Logo antes da transfiguração, Jesus havia dito aos discípulos: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz, cada dia, e siga-me” (Lc 9,23). 

Palavras terríveis, imagina eles viam os mestre curando os enfermos, limpado leprosos, fazendo cego enxergar, paralitico andar, multiplicando o pão para matar a fome de multidões, mandado no ventos e nas tempestade, andando sobre as águas, transformando água em vinho sem falar das pescas milagrosas e tentas outras coisas. Aí do nada Jesus, vem falar da cruz, da renúncia das coisas que eu gosto. Ninguém gosta da cruz, na verdade eles esperavam que o mestre os aliava-se da cruz, e não o contrário. 

Imagina o drama, eles estavam caminhando para Jerusalém, onde o próprio Jesus havia dito que seria preso e condenado à morte. Na verdade a vontade deles é fugir de Jerusalém, ir noutra direção, escapar da cruz. 

Tudo isso causou uma enorme decepção e desânimo nos discípulos. 

Todos nós já pensamos ao menos uma vez de lar tudo, lavar a mãos, não largamos, não abandonamos, mas que já pensamos, isso sim. 

Jesus, sentiu o ânimo abatido deles, o andar temeroso e titubeante, e quis dar a eles motivos de esperança. 

Calma lá, depois da cruz vem a vitória. Venham subamos o monte vejam a quem vocês estão seguindo, confiem em mim, não desanime que a vitória e certa. 

A transfiguração veio dar-lhes ânimo e esperança. 

Primeiro Jesus se manifesta revestido de glória, e depois apoiado pelo dois principais líderes do antigo testamento, Moises e Elias, e avalizado pelo próprio Deus Pais: “Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai o que ele diz.” 

Com essa frase, Deus Pai disse aos discípulos, e a nós, que tudo o que Jesus falou e fez, ele assina em baixo. 

É Pouca coisa? Não mesmo, o apoio que Jesus recebeu foi pesado. 

Pedro gostou tanto sugeriu fazer três tendas para ficar por lá mesmo. Claro que quem tem a felicidade de experimentar o céu, quer ficar lá. Quantos de nós quando estamos fazendo um retiro desejamos que nunca termine. 

Mas para chegar lá, primeiro, precisamos passar por essa vida, carregar a nossa cruz e seguir o bom Senhor sendo fiel até o fim. 

Jesus desceu do monte com os discípulos para ensiná-los a caminhar na vida. Jesus também está conosco para nos ajudar a vencer o medo e a indecisão, e principalmente o pecado que nos desfigura. 

Existem tantas coisas que nos desfigura, o cansaço, o desanimo, a frustação, a gula, a ira, as mágoas, a preguiça, a vaidade o orgulho pai de todos os pecados, e a tristeza filha predileta de satanás. 

Por isso precisamos estar com Jesus na oração, estar com Jesus na Eucaristia, estar com Jesus na penitência. A nossa busca por Jesus, nos transfigura; nos liberta dos efeitos do pecado e devolve a nossa beleza diante de Deus, fazendo resplandecer em nós a luz da bondade, da paciência, da temperança e de todas as virtudes. 

São Carlos de Foucauld, antes de ser padre era cartografo, e viajou pelo Norte da África fazendo mapas, convivendo com anos com radicais muçulmanos, voltou a Paris cheio de duvidas de fé. Procurou o padre, querendo resolver umas dúvidas de fé. O padre levou-o para a sala de atendimento, os dois se sentaram e o padre foi logo perguntando: “Quanto tempo faz que você não se confessa?” O rapaz respondeu: “Não é isso, padre, o meu problema são dúvidas de fé!” “Sim, respondeu o padre, mas eu gostaria que você antes se confessasse. Depois a gente conversa sobre a fé”. 

Ele se confessou, e imediatamente o levou para o sacrário e lhe deu a comunhão. Depois o padre lhe disse: “Agora vamos pode apresentar as suas dúvidas”. Carlos respondeu: “Não tenho mais dúvidas”. “Diante de um Deus de amor não encontro outro sentido na minha vida do que dedicar a minha vida a ele.” 

Queridos irmãos e irmãs, vamos nos transformar neste tempo de quaresma pela oração, pela caridade e penitência. Quaresma é tempo de graça e conversão, no qual a Igreja nos convida a refletirmos sobre nós mesmos, e insiste que é preciso haver transformação. 

Voltemos o nosso olhar para, Maria Santíssima ela nunca foi desfigurada pelo pecado. E ela é, depois de Jesus, a maior agente de transfiguração do mundo. Santa Maria, rogai por nós!

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

UM CEGO NÃO PODE GUIAR OUTRO CEGO


Como um cego pode guiar outro cego? Caem os dois no buraco. Ou como pode um açougueiro se meter a fazer uma cirurgia no coração de alguém? Não basta ter facas afiadas. Ou que tal sujeito que joga videogame de aviação se meter a pilotar um avião de verdade sem ter praticado com um instrutor muito horas antes? Imaginem a tragédia!

O mesmo vale para o Evangelho: como pregar se não procuramos viver? Ninguém pode dar aquilo que não tem. 

Quem prega o que não vive, está cometendo o pecado da HIPOCRISIA, pois se apresenta de pessoas, querendo iluminá-las com a luz que não temos. 

Jesus não esta afirmando que pessoas pecadoras não podem trabalhar na evangelização. O que Senhor diz é que quem não busca a sua própria conversão, quem não batalha pela sua santificação pessoal, não tem condições de ajudar os outros a encontrar o caminha da salvação. 

Como um cego guiando outro cego os dois acabaram caindo no buraco. 

Evangelização é em primeiro lugar testemunho e depois pregação, o cristão precisa primeiro se esforçar para viver o evangelho para depois anuncia-lo. 

Como a história do monge que foi convidado a orientar uma criança com diabete. Ele primeiro ficou um mês sem consumir açúcar e desvirados para só depois se atrever a orientar a criança. 

Devemos catequisar através do nosso exemplo de vida, pois o nosso testemunho fala mais alto do que as nossas palavras.

Acho errado beber bebidas alcoólicas e fumar, ninguém vai ver-me falando contra quem bebe ou fuma, mas eu garanto que nunca alguém vai ver-me beber, ou fumar. Esse é o meu testemunho. 

Imaginem uma nutricionista obesa, ou um dentista desdentado. São no mínimo Ridículos. a mesma coisa, aquele que não se esforça para viver o Evangelho, não tem autoridade para ensiná-lo aos demais. Pois ninguém botará fé no que ele diz.

Antes de tirar o cisco do olho do irmão tire a trave do seu olho, ou seja, antes de julgar o irmão, corrija-se a si mesmo.

A trave no nosso olho é a nossa arrogância, a qual nos faz pensar que somos melhores que os outros. A arrogância se não combatida nos deixa cegos, e incapazes de guiar a nós mesmos que dirá ajudar os outros. Se não nos preocupamos em corrigir nossos próprios defeitos, como podemos nos achar no direito de corrigir os dos outros. 

Corremos o risco de humilhar o nosso próximo, revelando os seus defeitos, sob a desculpa de que estamos “só querendo ajudar.”

O Senhor Jesus, ainda nos diz, árvore boa da frutos bons, arvore má da frutos maus... Assim como toda a árvore é conhecida por seus frutos, pelas obras podemos distinguir os cristãos autênticos dos que desejam apenas se aproveitar das pessoas. 

Vejam, não são pelas palavras que conhecemos uma pessoa, mas pelo bem que ela faz, ou deixa de fazer, pelas obras a que essa pessoa se dedica. 

Com diz o ditado falar bonito até papagaio fala. A pessoa reta e justa produz frutos de santidade para o próximo e para si próprio. 

Uma pessoa pode esquecer o que você disse para ela na hora da dor e da dificuldade, mas ela não vai esquecer que você esteve lá ao seu lado, não vai esquecer que você lhe estendeu a mão, ou lhe enxugou uma lagrima. 

Queridos irmãos, quem sabe vamos falar menos e fazer mais gestos de amor ao próximo. Essa é a linguagem do coração, que é compreendida por todos e toca até os corações mais duros.
Related Posts with Thumbnails