sábado, 16 de abril de 2022

VIGÍLIA PASCAL


Quando os apóstolos de encontraram com o Ressuscitado a primeira reação foi medo, pensavam que estavam diante de um fantasma. O Senhor disse: - Vejam minhas mãos e meus pés, sou eu mesmo. E o medo se transformou em uma imensa alegria.

Acreditar é muito importante, pois toda a nossa felicidade depende da É a fé na Ressurreição. Jesus está vivo e ressuscitado! Acredita nisso meu irmão, minha irmã, pois disse depende a tua vida.

É a fé na Ressurreição nos dá a capacidade de passarmos pelos problemas, porque eles são passageiros. E a última palavra será sempre daquele que venceu. Se nós não acreditamos na Sua Ressurreição, cada tribulação se torna um desespero e, em vez de caminharmos sobre os problemas, nós afundamos com eles.

É a fé na Ressurreição livra você do medo, angústia e sofrimento. Jesus, no Horto das Oliveiras, viveu um momento de muita tristeza, mas Ele não sucumbiu. A Sua É a fé na Ressurreição O fez vencer.

É a fé na Ressurreição que nos dá à força necessária para vencermos. É a fé na Ressurreição que nos faz saber que se Jesus venceu a morte, nós também venceremos os nossos problemas.

É a fé na Ressurreição que nos faz acredita que outra vida nos espera.

É a fé na Ressurreição que nos faz receber a cura.

É a fé na Ressurreição nos faz acreditar que a vida vale à pena.

É a fé na Ressurreição que nos faz lutar pelas pessoas que amamos.

É a fé na Ressurreição que nos colocando acima de qualquer obstáculo que a vida possa nos apresentar.

É a fé na Ressurreição que traz a pessoa que estava pedida de volta.

É a fé na Ressurreição a única força capaz de fazer alguém se livrar do álcool e das drogas.

É a fé na Ressurreição que nos das à serenidade de saber que não importa como foi o dia de hoje, no fim tudo acabara bem.

É a fé na Ressurreição que nos faz acreditar que podemos sempre dar a volta por cima.

É a fé na Ressurreição que nos dá força para perdoar uma traição, uma ingratidão, uma agressão, nos devolve a paz interior e me faz passar mais leve pela vida.

É a fé na Ressurreição que nos faz levantar da cama todas as manhãs para enfrentar a luta diária carregando a cruz de cada dia.

É a fé na Ressurreição que não nos deixa desanimar quando caímos e nos ajuda a levantar mais uma vez.

É a fé na Ressurreição que nos faz continuar acreditando mesmo quando todos nos dizem desiste não tem mais jeito.

É a fé na Ressurreição que mantém a família unida quando perde os pais.

É a fé na Ressurreição que não deixa uma mãe enlouquecer quando perde um filho.

Irmãos amados, a lista ainda poderia ser muito maior, mas enfim, não existe força de mal tão grande que pela É a fé na Ressurreição não possa ser vencida.

A força que a Palavra da Palavra de Deus vem dessa verdade: Cristo Ressuscitou, Ele morreu, mas está vivo.

Não sei explicar meus irmãos, mas se pararmos para pensar existe algo dentro de nós nos dá testemunho disso, faz-nos sentir que é verdade.

Deixe seu coração acreditar, se permita ter fé na ressurreição, e Receba do Ressuscitado a força que cura te faz vencer.

SOLENE PREGAÇÃO DA PAIXÃO





Imagina, que aconteceu em um estádio, uma luta épica. Um herói enfrentou o cruel tirano que escravizava a cidade e, com enorme esforço e sofrimento, o venceu. Você estava na arquibancada, não lutou, não se esforçou e nem teve feridas. Mas, se você admira o herói, se se alegra com ele pela vitória, se tece-lhe uma coroa, se anima e exalta a plateia por ele, se ajoelha com alegria diante do vencedor; em suma, se exalta por ele, a tal ponto de considerar como sua a vitória dele, eu lhe digo que você terá com certeza parte no prêmio do vencedor.

E tem mais: suponha que o vencedor não tenha nenhuma necessidade do prêmio que conquistou, mas que deseje, mais do que qualquer outra coisa, ver o seu admirador honrado e lhe entre o prêmio, mesmo sem ter lutado e sem ter feridas!

Dessa forma, acontece com Cristo e conosco. Ele, na cruz, derrotou seu antigo adversário. não temos lesões, nem sequer vimos a batalha, e eis que temos a vitória. Sua foi a luta, nossa a coroa. E porque também nós vencemos, com cantos de alegria exaltemos a vitória, entoemos hinos de louvor ao Senhor.

Devemos ter cuidado neste dia, participando nas procissões do Cristo morto, de não merecermos a censura que o Ressuscitado dirigiu às piedosas mulheres na manhã de Páscoa: "Por que procurais Aquele que vive entre os mortos?" (Lc 24,5). Não é a morte de Cristo que nós choramos, mas choramos pelos nossos pecados que tenhamos a vida pela morte e ressureição do Senhor.

Não se trata somente de assistir a uma representação, da morte de Cristo, mas de “acolher” o significado, de passar de espectador à ator. Cabe a nós portanto escolher qual parte queremos representar no drama, quem queremos ser: se Pedro, se Judas, se Pilatos, se a multidão, se o Cireneu, se João, se Maria … ninguém pode permanecer neutro; não tomar partido, é tomar o lugar de Pilatos que lava as mãos, ou da multidão que de longe "permanecia lá, a olhar " (Lucas 23, 35). Se voltando para casa, nesta tarde, alguém nos perguntar: "De onde vens? Onde estivestes?", respondamos, portanto, pelo menos em nossos corações: "No Calvário!"

Mas nada disso acontece automaticamente, só porque participamos nesta liturgia. Trata-se, de “acolher” o significado do mistério. Isto acontece com a fé. Não há música, onde não há um ouvido que a escute; não há graça, onde não há uma fé que a acolha.

"Para cada homem, o princípio da vida é aquele, a partir do qual Cristo foi imolado por ele. Mas Cristo é imolado por ele quando ele reconhece a graça e se torna consciente da vida que lhe foi dada por aquela imolação” Isso aconteceu no Batismo, mas deve sempre acontecer conscientemente de novo na vida. Devemos, antes de morrer, ter a coragem de fazermos um golpe de audácia, apropriar-nos da vitória de Cristo. A apropriação indevida! “Indevida” aqui significa que não nos é merecido, mas nos é dado gratuitamente, pela fé.

O que não posso obter por mim mesmo, o aproprio com confiança do lado aberto do Senhor, porque está cheio de misericórdia. Meu mérito, por isso, é a misericórdia de Deus.

Que esta forma de conceber a santidade, no entanto, não nos deixe menos zeloso das boas obras, menos comprometidos na aquisição das virtudes. menos empenhado em jejuns para libertar-nos da escravidão do pecado, pois é exatamente essas práticas que nos fazem antes de todos e mais do que todos, apropria-nos da justiça de Cristo.

O publicano da parábola subiu ao templo para orar; disse simplesmente, mas do fundo do coração: "Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!", e "voltou para casa justificado" (Lc 18, 14), reconciliado, feito novo, inocente. O mesmo, se temos a sua fé e o seu arrependimento, se poderá dizer de nós voltando à casa depois desta liturgia.

Entre os personagens da paixão que podemos nos identificar mais do que ninguém, espera quem lhe siga o exemplo: o bom ladrão. O bom ladrão faz uma confissão completa dos pecados; diz ao seu companheiro que insulta Jesus: “Nem sequer temes a Deus, estando na mesma condenação? Quanto a nós, é de justiça; estamos pagando por nossos atos; mas ele não fez nenhum mal”

O bom ladrão se mostra aqui um excelente teólogo. Só Deus de fato, se sofre, sofre absolutamente como inocente; qualquer outro ser que sofre deve dizer: "Eu sofro com justiça," porque, embora não seja responsável pela ação imputada, nunca está totalmente sem culpa. Só a dor das crianças inocentes é semelhante àquela de Deus e por isso é tão misteriosa e tão sagrada. Quantos crimes atrozes que permanecem, nos últimos tempos, sem culpados, quantos casos não resolvidos! O bom ladrão faz um apelo aos responsáveis: façam como eu, venham à luz, confessem a vossa culpa; experimentareis também vós a alegria que eu senti quando ouvi a palavra de Jesus: “Hoje estarás comigo no paraíso!”.

Quantos réus confessos podem confirmar que foi assim também para eles: que passaram do inferno ao paraíso no dia que tiveram a coragem de arrepender-se e confessar a sua culpa. Eu também conheci alguns. O paraíso prometido é a paz da consciência, a possibilidade de olhar-se no espelho ou olhar para os próprios filhos sem ter que desprezar-se.

Não carreguem convosco até o túmulo o vosso segredo; encontraríeis uma condenação muito mais temível do que aquela humana. O nosso povo não é cruel com quem errou, mas reconhece o malfeito, sinceramente, não somente por algum interesse. Pelo contrário! Está pronto para ter pena e acompanhar o arrependido no seu caminho de redenção (que de qualquer forma, torna-se mais curto).

"Deus perdoa muitas coisas, por uma obra boa". Ainda mais, devemos dizer, que ele perdoa muitas coisas por um ato de arrependimento. Ele prometeu solenemente: “Mesmo que os vossos pecados sejam como escarlates, tornar-se-ão alvos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim tornar-se-ão como a lã” (Is 1, 18).

PODER DO SANGUE DE JESUS


Queres conhecer o poder do Sangue de Cristo? Voltemos às figuras que o profetizaram. Recordemos a narrativa do Antigo Testamento. Disse Moisés: “Imolai um cordeiro de um ano e marcai as portas com o seu sangue” (Ex 12,6-7).

Que dizes Moisés? O sangue de um cordeiro tem poder de libertar uma pessoa dotada de razão?

“Claro que não! Liberta não porque é sangue, mas por ser figura do sangue do Senhor. Se, agora, o inimigo, em vez do sangue simbólico marcando as portas, vir brilhar, nos lábios dos fiéis, portas do templo dedicado a Cristo, o Sangue verdadeiro, fugirá para ainda mais longe!”.

Queres compreender mais profundamente o poder deste Sangue? Repara de onde ele começou a correr e de que fonte brotou. Começou a brotar da própria Cruz, e a sua origem foi o lado do Senhor. Estando Jesus já morto, e ainda pregado na Cruz – diz o Evangelista – um soldado aproximou-se, feriu-lhe o lado com a lança, e, imediatamente, saiu água e sangue: água, símbolo do Batismo; sangue, símbolo da Eucaristia.

O soldado, transpassando o lado de Cristo, abriu uma brecha na parede do Templo Santo! Eu, encontrando um grande tesouro, alegro-me com estas riquezas extraordinárias! Assim aconteceu com este Cordeiro (de Deus, Jesus): eles mataram um cordeiro e eu recebi o fruto do sacrifício!

“De seu lado saiu Sangue é Água” (Jo 19,34) – não quero (fiel cristão) que trates com superficialidade o segredo de tão grande Mistério. Falta-me explicar-te outro significado místico e profundo! Eu disse que esta Água e este Sangue são símbolos do Batismo e da Eucaristia. Destes Sacramentos nasceu a Santa Igreja, pelo banho de regeneração e renovação no Espírito Santo, isto é, pelo Batismo e pela Eucaristia, que brotaram do lado de Cristo. Pois Cristo formou a Igreja do seu lado transpassado, assim como do lado de Adão foi formada Eva, sua esposa.

Por esta razão, a Sagrada Escritura, falando do primeiro homem, usa a expressão “ossos dos meus ossos e carne de minha carne” (Gn 2,23), que São Paulo menciona, aludindo ao lado de Cristo. Pois assim como Deus formou a mulher do lado do homem, Cristo, do seu lado, nos deu a Água e o Sangue, para que surgisse a Igreja. E assim como Deus abriu o lado de Adão, enquanto ele dormia, também Cristo nos deu a Água e o Sangue, durante o sono de sua morte.

Vê como Cristo se uniu à sua Esposa (a Igreja)! Vê com que alimento nos sacia! Do mesmo alimento nos faz nascer e nos nutre. Assim como a mulher, impulsionada pelo amor natural, alimenta com o próprio leite e o próprio sangue o filho, que deu à luz, também Cristo alimenta sempre com seu Sangue aqueles a quem deu o novo nascimento.

(São João Crisóstomo, 2ª leitura da Sexta-Feira Santa)

SEXTA- FEIRA SANTA


As suas últimas palavras de Nosso Senhor foram: “Tudo está consumado”. Isto é, cumpri minha missão. Fiz tudo o que o Pai me pediu.

Nós estamos mergulhados em um mundo pecador, mas nele temos a missão de ser luz, cumprindo nossa missão, como pai, padre, mãe, catequista, ministro... perseverando até o fim.

Jesus não procurou sofrimentos, o que ele queria era fazer a vontade do Pai. Nós também não devemos procurar sofrimento, mas devemos estar firmes no desejo de cumprir nossa missão, mesmo que isto nos custe renúncias e alguns sacrifícios.

Nosso Senhor disse: “EU VENCI O MUNDO”. Jesus morreu na cruz, mas venceu o mundo, pois ressuscitou, e não morre mais. Jesus venceu, e um dia virá para julgar os vivos e os mortos. JESUS VENCEU e nós, com Jesus, venceremos.

Como Jesus disse: no mundo tereis aflições, perseguições, tentações. Momentos de solidão e de angústia, porque este é o tempo do nosso adversário, que anda ao redor de nós, hora rugindo como leão pronto para nos devorar, hora vestido de pele de ovelha para nos enganar, é uma luta constante e sem tréguas.

Lembremos a Sagrada Escritura -"tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém. Resisti ao diabo, usando a Palavra de Deus.

Jesus não ficou em cima do muro diante do pecado, mas tomou uma posição firme em favor da verdade e da justiça, nós, igualmente precisamos ser fiéis a verdade e a justiça, cumprindo os mandamentos de Deus.

Há poucos dias, falando com um "católico não praticante" - se é que podemos chamar de Católico quem não pratica a sua fé - dizia que: "devemos modernizar a Igreja para não perdermos mais fiéis;
- Não proibir o sexo fora do casamento;
- Não pedir o dízimo, pois Deus já é dono de tudo;
- Vamos oficializar o Matrimônio gay.
- Liberar o aborto e o divórcio.
- Santa Missa Dominical, não deve ser preceito, mas que ser vá quando não se tem vontade. Etc.

Podia responder a cada umas dessas questões diabólicas. Mas apenas direi: isso não é vencer o mundo, mas é ser vencido pelo mundo.

Não deis lugar ao diabo. Na hora da tentação, pegai na espada do Espírito, a Bíblia, e resisti-lhe firmes, como Jesus.

Jesus mesmo passando por aflições, sendo tentado pelo diabo, sendo açoitado e crucificado nunca fraquejou e seguiu até o fim. Ele venceu o mundo, venceu a morte e hoje vive na glória sentado à direita Pai.

Se Jesus passou pela cruz, para que você tenha força Nele. Nunca diga que não tem força para continuar a lutar, siga os mandamentos, tenha fé, pois quem age com fé em Cristo Jesus jamais será vencido. Não temas, pois aquele que venceu o mundo está conosco.

3 pontos vemos em Jesus, no momento da sua paixão:
1) No meio da crise, ele rezou, buscando a ajuda de Deus Pai.
2) Perdoou a todos e morreu sem mágoa de ninguém.
Perdoai-os Senhor eles não sabem o que fazem.
3) Caiu 3 vezes, mas se levantou, e a morte o encontrou em pé.

O Sofrimento é como o fogo do fundidor que purifica a prata. É interessante um detalhe na purificação da prata. O ourives fica olhando, para que a prata no fogo, até ver o seu próprio rosto refletido nela. Este é o sinal de que ela está pura. O sofrimento produz em nós o mesmo efeito do fogo purificando a prata. Ele vai queimando tudo o que é impuro em nós. Quando Deus, vê sua imagem e semelhança refletida em nós, estamos purificados.

Maria Santíssima, no seu momento mais difícil, que foi a morte do seu Filho, certamente pensava: “Meu Filho, o que você poderia ter feito por este povo e não fez?
Você lhes deu a vida e eles lhe deram a morte;
você os salvou, eles o mataram!
Mas sei que você está realizado, porque fez a vontade de Deus Pai.
Por isso eu também assumo esta minha dor, Filho, e atendendo ao seu pedido, quero ser a Mãe de todos os teus discípulos.

QUINTA-FEIRA SANTA



O que você faria se soubesse que morreria amanhã?

Que providências tomaria se lhe restassem apenas poucas horas?

Com quem gostaria de passar seu último jantar?

Quais gostariam fossem suas últimas palavras?

Esse era exatamente o drama que vivia Nosso Senhor. Ele sabia o que lhe aguardava aquela noite. Ele sabia que seria traído, entregue aos seus inimigos e abandonado por quase todos os seus discípulos.

Por isso, aquelas eram horas preciosas. Com certeza nosso Senhor tinha muito ainda para dizer, ensinar, alertar, confirmar, aconselhar, recomendar e consolar.

Entretanto, Jesus renuncia às palavras e usa um gesto, o gesto de lavar os pés deles. Um gesto que os constrangeu, questionou, chocou, e ficou marcado para sempre em seus corações.

Durante três anos os discípulos conviveram com o Mestre, ouvindo suas pregações, testemunhando milagres: curas, libertações e até ressurreições. Durante esse período, os apóstolos participaram da intimidade de Jesus. Tudo que eles aprenderam com ele durante esse tempo, Jesus, resumiu em três lições, presentes nesse gesto do Lava-pés

1ª Lição é o Amor - O texto diz que “tendo Jesus Amado os seus, amou-os até o fim”. É um amor sem limites, um amor levado às últimas consequências. Até o dom da própria vida.

O texto diz que Jesus lavou os pés de todos os discípulos, inclusive os pés de Judas. Jesus lava os pés daquele que iria traí-lo. Até o último momento, até na hora do beijo da traição, Jesus no seu amor ainda esperava Judas se arrepender e se salvar. Jesus ainda vai dizer com amor, “Com um beijo que trai o filho do homem?”.

Jesus transmite aos seus que é absolutamente impossível segui-lo sem amar. O amor é a condição para ser feliz nessa vida e na outra.

2ª Lição de Humildade. Lucas, no seu Evangelho, narra que durante a ceia os discípulos começaram a debater entre si qual deles seria o maior (Lc 22,24). No meio dessa discussão que Jesus se levanta e se despoja de sua túnica, ensinando aos seus discípulos como ser grande para Deus.

Jesus tomou uma toalha, deitou água na bacia e passou a lavar os pés dos discípulos. Quando alguém oferecia um banquete ao receber convidados, colocava um escravo para lavar os pés dos convidados. Jesus assume uma postura de um escravo.

Jesus é Deus, um Deus que se pôs de joelhos, para lavar os pés dos pecadores. Anos antes, João Batista disse que não era digno nem mesmo de desatar as sandálias de Jesus (Mc 1:7). No entanto, Jesus, o próprio Deus, ajoelha-se diante de seus discípulos e, não apenas desata as correias de suas sandálias, mas, ainda, lava os seus pés.

3ª Lição de Serviço (v. 14-16). Jesus mostra aos seus que ser seu discípulo é, antes de tudo, ser um servo.

Conta-se que, certa vez, um jovem reporte Madre Tereza de Calcutá limpando uma ferida em um morador de rua, podre, fedia, da qual saiam vermes. Um trabalho difícil e sem nenhum prestígio nem reconhecimento. Ao presenciar ele exclamou: “Eu não faria esse trabalho nem por um milhão de dólares!”. A freira respondeu: “Eu também não!”.

Esse é o segredo da felicidade, sempre vai ter alguém precisando de você, ninguém é tão rico que não precise de nada, ou tão podre que não tenha nada para oferecer, ninguém é tão sabia que não tenha algo a aprender ou tão ignorante que não tenha nada a ensinar. Por isso o dia em que estiver triste vá procurar um pé sujo para lavar, e será verdadeiramente feliz nesse mundo e no outro. Existe um segredo que ninguém explica, mas todos entendem, é melhor dar que receber. Porque não sei, só sei que é assim.

Jesus utilizou diversas formas de ensino para seus discípulos: sermões, parábolas e gestos, mas ensinar através do exemplo é a melhor maneira.

Na hora da despedida, Ele se utiliza do melhor: o exemplo. Jesus não nos pediu nada daquilo que ele mesmo não tenha feito. Assim, naquela noite de quinta-feira, antes de se despedir dos discípulos, Jesus traz a eles lições preciosas. “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também”.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

7º domingo TC ano C


"Falou Jesus aos seus discípulos: amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, abençoai os que vos maldizem e orai pelos que vos injuriam."

Parece que Jesus está nos pedindo uma coisa impossível. Se toda hora que ligo a televisão eu vejo sempre alguém matando alguém. O mundo chegou a esse ponto, pois muita gente resolver seus conflitos de acordo com a lei de Talião: "olho por olho, dente por dente". Mas a vingança, não repara, não corrige e não previne, apenas pune e gera mais violência.

Precisamos aprender a recorrer a ajuda de Jesus. O grande problema é que muitos, preferem resolver seus problemas sem pedir a ajuda de Deus. Muita tragédia seria evitada se antes de qualquer atitude recorrêssemos a ajuda e a proteção de Deus.

Se todos seguissem a orientação de Mestre, o mundo seria bem diferente desse mundo em vivemos. O Senhor nos aconselha a jogar um balde de água na fogueira, em vez de jogar gasolina." Simples assim.

Infelizmente muitos acham difícil demais. Acham que estão se rebaixando, se humilhando se fizer como Jesus nos ensina: fazer o bem a quem lhes faz o mal.

Jesus nos aconselha, nos orienta a amar os nossos inimigos, para o nosso próprio bem. Pois responder a um enfrentamento com vingança nada pode vir de bom, só mais dor e sofrimentos.

Diz a conhecida «Lei de talião» – do latim talio, talis tal, lei do corte ou contusão, assim formulada no Livro do Êxodo: «vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, contusão por contusão» (Êxodo 21,24-25).

Segundo essa lei, deve-se pagar com a mesma moeda, e tudo isso se resume numa vingança pessoal. Já estaríamos todos manetas, pernetas e caolhos.

Porém, a solução apresentada por Jesus, é: "Não enfrenteis quem é malvado! ". Mas: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.

Amar como Jesus nos amou é imitá-lo. É fazer tudo o que Ele fez. É nos perguntar a todo momento diante de cada situação de nossa vida: Como Jesus faria para resolver isso? Como Ele reagiria diante dessa situação?

Amar como Jesus nos amou é perdoar como Ele perdoou, é ser caridoso como Ele o foi.

Amar o irmão como Jesus nos amou, é ser capaz de dar a nossa vida para salvar alguém. Certo soldado que estava passeando um dia no zoológico em São Paulo, viu um a criança sendo devorada por uma ariranha. Ele pulou a cerca e salvou a vida daquela criança, mas em seguida foi morto pelos dentes daquele feroz animal. Isso é amar como Jesus nos amou. Aquele soldado deu sua vida para salvar uma vida.

Amar como Jesus, é ajudar aqueles que precisam da nossa ajuda, da nossa força. É defender os fracos das injustiças dos poderosos. É ensinar quem está com dificuldade de aprender, é dar de comer aos famintos, é ajudar os idosos, etc.

Pense neste instante naquela pessoa que o fez de bobo, que lhe ofendeu, lhe passou para traz, ou algo desse tipo. Reze por essa pessoa. Simplesmente a entregue a Deus. Peça a Deus para fazer com que aquela pessoa que lhe causou aquele prejuízo, físico ou moral se arrependa, e se converta, e não faça isso a mais ninguém. Peça a Deus pela conversão dessa pessoa. Principalmente para que ela pare de agir desse jeito. Do jeito que agiu com você.

"AMAI-VOS UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI!" (João 13,34). Aqui, a medida não somos nós, mas sim, o próprio Jesus, o Filho de Deus altíssimo. Agora vai, e faça o mesmo.

6º domingo TC ano C


Todos queremos ser felizes? Mas
onde está a felicidade?

Conta à história da África do Sul que um inglês estava visitando algumas tribos das savanas, quando viu as crianças brincando com pedrinhas brilhantes. Observando melhor, ele notou que eram diamantes. O inglês ofereceu trocar um punhado de pedrinhas por um saco de tabaco, aceitaram na mesma hora.

O Inglês vendeu aqueles diamantes e, comprou toda aquela região, tornando-se o maior comerciante de diamantes do mundo. Os primeiros donos perderam toda a sua riqueza porque não souberam valorizar o que tinham debaixo de seus pés.

Estamos vivendo sobre uma mina de diamantes e nem sabemos.

Temos a beleza das flores o nascer do sol, o sorriso das crianças, o azul dos céus, a imensidão dos mares. Temos apenas que abrir nossos olhos para vermos a beleza da criação. O valor de nossa família dos amigos, da vida em comunidade, a felicidade em participar da Igreja.

Para o mundo, felicidade, é ter isso ou aquilo, é poder fazer o que se quer; pura mentira, felicidade não é ter ou poder, felicidade é ser. Ser pai, ser mãe, ser amigo, ser irmão. Que adiante ter um celular moderno se ninguém me ligar; um caro de luxo se não me levar ao encontro de ninguém, uma mansão se ninguém me visitar. Não existe felicidade fora do calor das relações humanas.

Infeliz daquele que tem a si mesmo com centro da sua vida. Quem vive somente para si tem muito pouco motivo para viver, viverá insatisfeito, angustiado, deprimido.

Feliz daquele que vive para os irmãos e para Deus. Nunca lhe faltaram amigos ao seu lado, contará com uma família e uma comunidade. Viver para Deus e para os irmãos não é um caminho fácil, mas sem dúvida é o caminho da felicidade.

Ser feliz é tudo o que mais desejamos, e também o maior desejo de Deus para nós. Pena que muitos busquem a felicidade fora dos planos de Deus onde nunca vamos encontrá-la.

Precisamos nos conscientizar, de que a felicidade, não é algo que podemos comprar, nem significa ausência de problemas. Pois mesmo em meio a dores e sofrimentos podemos amar, ser amador, e ser feliz.

O sofrimento faz parte da vida, assim como nascemos, e um dia morreremos, assim temos dias maravilhosos e dias difíceis. É preciso para de lamber as feridas e olhar ao redor quem está precisando de você, do seu sorriso do seu carinho da sua mão amiga.

Quando o casal de recém-casados entrou em casa, e o marido falou: “Querida, vou trabalhar muito até que um dia sejamos ricos”. A esposa respondeu: “Mas nós já somos ricos, pois temos um ao outro; o que é possível é que, um dia, se tenha algum dinheiro”.

Chamamos de santos aqueles que nos fazem ver onde está a verdadeira felicidade. Festejamos neste dia todos aqueles que tomam de tal modo a sério as bem-aventuranças que são hoje plenamente felizes.

Num mundo que vive estressado, que corre sem saber para onde, num mundo que já não crê nos verdadeiros valores, porque já não crê em Deus, contemplar os santos é recordar para onde vamos e qual é o sentido da nossa vida! Não tenhamos medo de ser de Deus, não tenhamos medo de testemunhar o Evangelho. Venceremos todo o medo se alimentarmos nossa vida com a Palavra de Deus e a Eucaristia.

Infelizmente, muitos hoje têm como heróis os atletas, os atores, os cantores e tantos outros que não têm muito e até nada para ensinar. Quanto a nós, que nossos heróis e modelos sejam os santos, verdadeiros heróis venceram as tribulações desta vida seguindo o Cristo! Que eles roguem por nós, pois o que eles foram, nós somos e o que eles são, todos nós somos chamados a ser.
Related Posts with Thumbnails