sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Meu pai pode fazer tudo


4 anos - Meu pai pode fazer tudo. 
5 anos - Meu pai sabe muitas coisas. 
6 anos - Meu pai é mais esperto do que o seu pai. 
8 anos - Meu pai não sabe exatamente tudo. 
10 anos - No tempo antigo, quando o meu pai foi criado, as coisas eram muito diferentes. 
12 anos - Ah, é claro que o papai não sabe nada sobre isso. É muito velho para se lembrar da sua infância. 
14 anos - Não ligue para o que meu pai diz. Ele é tão antiquado! 
21 anos - Ele? Meu Deus, ele está totalmente desatualizado! 
25 anos - Meu pai entende um pouco disso, mas pudera! É tão velho! 
30 anos - Talvez devêssemos pedir a opinião do papai. Afinal de contas, ele tem muita experiência. 
35 anos - Não vou fazer coisa alguma antes de falar com o papai. 
40 anos - Eu me pergunto como o papai teria lidado com isso. Ele tem tanto bom senso, e tanta experiência! 
50 anos - Eu daria tudo para que o papai estivesse aqui agora e eu pudesse falar com ele sobre isso. É uma pena que eu não tivesse percebido o quanto era inteligente. Teria aprendido muito com ele.

A você papai, parabéns, benção e gratidão.

PAI HERÓI

O segundo domingo de agosto é dedicado aos pais. Esta festa é um gesto de gratidão, admiração e oração pelos pais. Se esta festa não existisse precisaríamos criá-la, tal a importância da figura paterna para a formação de cada pessoa e da sociedade como um todo. 

Não é nada fácil ser pai. Pensar que basta compra um violão para ser musico é como pensar que basta ter um filho para ser pai. Antes que a primeira música seja tocada muitas tentativas, ensaios e erros, e além disso tocar violão é uma arte que nunca se termina o aprendizado, pois precisa-se ser estudado e praticado por toda a vida. O mesmo pode dizer de ser pai, e ainda mais, é muito mais fácil tocar violão do que ser pai. Pai acerta e erra, tenta de novo, e continua a prendendo essa nobre missão por toda a vida. 

Ninguém nasce sabendo ser pai, nem mesmo é fácil assumir esta missão. Trata-se de uma arte, uma sabedoria, uma tarefa marcada por sacrifícios e alegrias. Quantas vezes já conversei com pais preocupados com o futuro de seus filhos, se perguntando se esta os criando direito, se não os mimou demais, se não foi duro demais. 

É comovente a gente ver o pai ao lado da esposa e perto dos filhos. O pai livra o filho da dependência da mãe, indica rumo e direção na vida, é esteio e ponto de referência na família. Sem você pai, crescemos inseguros, tímidos, indecisos. 

Pai tem se tornado um artigo de luxo em nossa sociedade, muitas casas nem homens tem mais, e em muitas que tem figura masculina esses homens não são pais. Claro que existem mulheres que têm feito com muito sucesso o papel do pai da mãe, mas se lhes perguntarem com certeza dirão que gostaria de ter o pai por perto para dividir essa responsabilidade. 

Lembro-me quando um pai chegou angustiado na igreja, dizendo que havia passado pela praça e visto a sua filha de 12 anos no colo de um menino, me perguntando onde tinha errado, eu apenas perguntei-lhe, pai quanto tempo faz que você não dá colo para a sua filha, não passeia com ela, não diz o quanto é bonita. Quando o pai sabe valorizar as suas filhas, elas saberão o valor que tem, e não ficaram mendigando afeto de qualquer um que só queira se aproveitar delas. Como é necessário o colo, o abraço, a presença, o tempo, a fé, e a orientação paterna. 

Não vale a pena um pai ter sucesso financeiro e fracasso familiar. O maior tesouro e o capital mais precioso é a nossa família. Ser pai é ser líder, condutor, provedor, mestre e protetor da família. 

No passado tivemos pais proibitivos, hoje temos pais permissivos, mas precisamos de pais participativos que sejam a fascinação de seus filhos, o pai herói, mesmo sendo limitado. Sabemos que os pais não são perfeitos, pai erra e acerta, pois, pai também é gente. O que importa mesmo é o seu jeito de ser pai ao ponto dos filhos poderem dizer: “Eu quero ser como meu pai. Meu pai e eu somos um. Quero ser digno desse pai”. E esse é sem dúvida o maior presente que um filho pode dar ao seu pai, dizer a ele: “pai eu quero ser como o meu pai. ” 

Pai, como faz bem sua presença em casa e como prejudica a sua superproteção, presentes e liberdades sem limites aos filhos. O amor de pai tem que ser é exigente. 

Não troquem o lar pelo bar, pelo campo de futebol, pela empresa, pela internet ou pela televisão. A atual geração está crescendo com sensação de ausência, de distância do pai. 

Gerar um filho é fácil, difícil é ser pai desde a concepção, durante a gravidez e em todas as etapas da vida. 

Está mudando o jeito de ser pai, mas em nada diminui a sua importância. Muitos ainda confundem o pai com o patrão, o patriarca. Outros, porém, pensam que o pai é apenas um cara que pagas as contas e que faz todas as vontades dos filhos. Quantos pais já desabafaram comigo, o tudo é mãe, só a mãe, a mim só me procuram para pagar as contas. 

A verdade é que: 

- Pai ausente, filho carente. 

- Pai permissivo, filho prepotente. 

- Pai irreligioso, filho incrédulo. 

- Pai profissional, filho consumista e folgado. 

- Pai fraco, filho desnorteado. 

Queremos abraçar afetuosamente neste dia o pai migrante, o padrasto, o desempregado, o doente, o viúvo, o separado. Tanto o pai que alcançou a terceira idade, como o pai ainda adolescente, necessitam de nosso apoio e compreensão. 

Lembremos, o mandamento das leis de Deus, inclusive o único mandamento que vem acompanhado de uma benção: “Aquele que respeita o pai obtém o perdão dos pecados, aquele que honra o pai, viverá muito tempo. Filho cuida de teu pai na velhice. O amor para com o pai, nunca será esquecido” (Eclo. 3). 

Cada pessoa leva dentro de si o pai que a gerou ou adotou. A reconciliação com o pai tem o poder de curar muitos males e sofrimentos da nossa vida. Quem não resolve seus problemas com o pai, vai repeti-los vida afora de diversas maneiras. Podemos solucionar todas as questões de antipatias e rejeição da autoridade através do perdão aos nossos pais.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

PAI COMEÇA O COMEÇO

Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: - "pai, começa o começo!". O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.

Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, "começar o começo" de tantas cascas duras que encontro pelo caminho. Hoje, minhas "tangerinas" são outras. Preciso "descascar" as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.

Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis...

Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para "começar o começo" era o que me dava a certeza que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.

Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus:

"Pai, começa o começo!"

Não sei que tipo de dificuldade eu e você estamos enfrentando ou encontraremos pela frente neste ano. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for preciso: "Pai, começa o começo!".

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

SOU PADRE


Lc 9,57-62

Nosso Senhor caminha decididamente para a Cruz, e os seus discípulos, vivenciam o conflito interior entre segui-lo e o medo da morte. Manifestam as suas resistências e o Bom Senhor deixa claro que é preciso, romper com a imagem da mãe – segurança e conforto; romper com a imagem do pai – regras e deveres; e romper com o eu – segurança de uma identidade a ser conservada.

Para quem olha em frete e vê a cruz, é natural manifestar resistências, a Cruz é um horror, um espetáculo de infâmia. A cruz não é bonita, nem a de Jesus, nem a nossa, mas não a amamos por ela ser bonita, ou fácil de carregar, amamos aquele que está na cruz, porque Ele nos amou por primeiro, e por causa dele suportamos a nossa cruz por aqueles que amamos. Nós presbíteros, entendemos bem esse jogo de palavras, pois o sentimos em nossa carne. Tanto o desejo se seguir Nosso Senhor como o medo da morte.

Estivemos aqui esses dias exatamente para isso: tomar consciência de nossas resistências, e vencê-las juntos como irmãos. Tão somente para, contribuir mais e melhor no processo de consciência e libertação do Povo de Deus a caminho.

Não é difícil perceber o quanto, e como cultura atual afeta esfera de valores nos presbíteros: estimulando desejos, criando apegos; aumentando as resistências.

A dimensão religiosa da vida não coincide mais com as estruturas da Igreja, que por sua vez, já não é mais capaz de sustentar a adesão dos fiéis, esta tarefa passa a depender, em ampla medida, do tipo de interação pessoal que nós presbíteros somos capazes de estabelecer.

Se anteriormente lealdade, obediência e humildade eram consideradas valores para o clero, hoje o que se busca nos presbíteros é autenticidade, autonomia e diálogo.

A autenticidade nas relações decorre do fato de nós presbíteros termos uma integração de personalidade razoável no que diz respeito à ordem psíquica e afetiva, o que implica um grau considerável de autoconhecimento. Logo, o autoconhecimento torna-se uma qualidade pessoal indispensável para nós, por isso uma caridade com os outros.

O valor da autonomia se relaciona com a condição de liderança que o presbítero hoje deve apresentar. Esta se concretiza por meio de quatro qualidades:
a) a empatia com o Povo de Deus (numa boa percepção dos anseios, temores e demandas do povo);
b) uma clara definição dos próprios valores e objetivos;
c) autoconfiança;
d) uma imagem de sucesso e competência.

Estas características apontam para uma liderança autêntica, que se traduz na possibilidade do padre se colocar a frente do grupo, por meio de uma clara explicitação de seus objetivos e de sua maneira de ser. O que se espera de nós hoje, portanto é, alem da capacidade de estar em contato com os fiéis, clareza e coerência entre aquilo que professamos e aquilo que fazemos.

Outro valor imprescindível é o diálogo. Este diz respeito à nossa condição de comunicar nossos próprios objetivos, valores e missão, com a condição de estar em contato com os outros, transparecendo igualdade. Uma vez que a interação entre o Presbítero e os fieis apresenta atualmente uma característica muito mais pessoal do que institucional, o diálogo passa a desempenhar um papel primordial, o recurso da argumentação e explicação se torna praticamente indispensável. Ao mesmo tempo para desenvolver uma atitude de empatia, é preciso que o "outro" também tenha a possibilidade de apresentar suas respectivas razões e motivos.

Ocorreram, pelo menos, quatro mudanças na vivência presbiteral:
1. do púlpito à participação; 
2. De pregador clássico a portador do mistério; 
3. Do estilo solitário ao ministério colaborativo; 
4. De uma espiritualidade monástica a uma secular.

O perfil do padre hoje precisa se identificar com a prática dos primeiros cristãos, quando ainda não havia estrutura hierárquica, ao invés do exercício da autoridade conferido pela posição de clérigo, a nossa atuação deve se pautar, sobretudo, pelo serviço e testemunho.

Retomando, a cruz continua, através dos séculos, causando nojo para muita gente, e por isso temos mais facilidade de nos afastar dela do que nos atirarmos a ela, mas os santos agem diferente, eles também sentem repulsa da cruz, mas tem um amor maior, que os impele a estar junto da cruz de nosso Senhor custe o custar, pois eles, como você, não tem nada da oferecer a não ser a si mesmo, e nada a perder a não ser a própria vida, pessoas assim são "idiotas" (capazes de fazer o que ninguém é faz) e perigosas.

SER PADRE

Padre, pessoa de Deus
Porta voz de Jesus Cristo

Ser Padre é uma aventura
Viver entre espinhos e rosas
Sem nunca reclamar
Pronto a nos ajudar

Padre é aquele que perdoa
Que partilha os Sacramentos
Que anuncia a Boa-Nova
Que da massa é o fermento

Ser Padre é estar a serviço dos outros
Sem se preocupar com o tempo
Ser Padre é partilhar O pão que é Jesus
Alimenta com a palavra
Mostrando esta luz

Ser Padre: É ser alegre e otimista
É ser sal e luz
É ajudar o irmão
É sentir o peso da cruz
É ser filho de Deus
É ser irmão de Jesus!

Ser padre é ser “pai” de uma comunidade inteira. Como tal, ele é o homem da Palavra de Deus, da Eucaristia, do perdão e da bênção, exemplo de humildade, penitência e tolerância, o pregador e conversor da fé cristã. Enfim, é um comunicador e entusiasta da Igreja, que luta por uma vivência cristã mais perfeita.

Parabéns a todos os padres!!!
Muitas bençãos e graças na caminhada sacerdotal dos nosso padres!

O VALOR DE UM PADRE

Quando se pensa, que nem a Santíssima Virgem, pode fazer o que um padre faz...

Quando se pensa... Que nem os Anjos, nem os Arcanjos, nem mesmo Miguel, Gabriel e Rafael, nem príncipe algum dos que venceram lúcifer pode fazer o que um padre faz...

Quando se pensa, que Nosso Senhor Jesus Cristo, na última Ceia, realizou um milagre maior que a criação do mundo,com todos os seus esplendores, ao transformar o pão e o vinho em seu Corpo e em seu Sangue, para alimentar o pecador e que este prodígio, diante do qual se ajoelham os anjos e os homens, somente o padre pode realiza-lo todos os dias;

Quando se pensa... noutro milagre, que somente o padre é capaz de realizar: perdoar os pecados no sacramento da confissão, pois o que ele liga no fundo de seu humilde confessionário, Deus,obrigado por sua própria Palavra o liga no Céu e o que ele desliga no mesmo instante o desliga Deus;

Quando se pensa... que o mundo morreria da pior fome se chegasse a lhe faltar esse pouquinho de pão e este pouquinho de vinho;

Quando se pensa... que isso pode acontecer porque estão faltando vocações sacerdotais; e que quando isso acontecer se estremecerão os céus e se romperá a terra como se Deus tivesse deixado de sustenta la; e as pessoas gritarão de fome e angústia e pedirão este Pão e não haverá quem o dê; e lhes pedirão a absolvição de seus pecados e não haverá quem os absolva; e assim morrerão com os olhos abertos no maior dos espantos...

Quando se pensa... que um padre é mais necessário que um presidente, mais que um militar, mais que um banqueiro, mais do que um médico, e mais do que um professor, porque ele pode substituir a todos e ninguém pode substituir o padre...

Quando se pensa... que um padre quando celebra no altar tem mais dignidade que um Rei; que ele não é apenas um simbolo, nem sequer um embaixador de Cristo, mas é o próprio Cristo que está ali, repetindo o maior milagre de Deus...

Quando se pensa NISSO TUDO, compreende-se o quanto se deve amar os padres, respeita-los, fomentar as vocações, custear os estudos dos seminaristas e manter os seminários e noviciados...

Porque este homem, o padre, durante a hora em que celebra diariamente, é mais importante que todas as celebridades da terra juntas e que todos os Santos do Céu, pois é Jesus Cristo mesmo,sacrificando seu Corpo e seu Sangue para alimentar o mundo, as almas!

quarta-feira, 24 de julho de 2019

DIA DOS AVÓS

Perguntaram a uma menina de 9 anos:

- O que você quer ser quando crescer.

Ela respondeu: – Eu quero ser vovó!

- Mas porque você quer ser vovó?

Ela completou: – Porque a vovó tem tempo para ficar escutando a gente.

Porque a família se reúne inteirinha na casa dela e sempre tem bolo, bolinho e docinhos.

A vovó tem filhos já crescidos e ela gosta de brincar com as criancinhas.

Um vovô também é legal ele é aposentado e tem tempo para levar os para passear e tempo para conversa e tempo para brincar.

Os avós mais tempo para a gente.

Eles não conseguem rolar pelo chão ou correr, mas não faz mal, pois eles têm um colo bem fofinho.

Na casa deles tem sempre um vidro com balas e uma lata cheia de suspiros. Eles contam histórias de nosso pai ou nossa mãe quando eram pequenos, histórias da Bíblia, histórias de uns livros bem velhos com umas figuras lindas. Passeiam conosco mostrando as flores, ensinando seus nomes, fazendo-nos sentir seu perfume.

Avós nunca dizem “depressa, já para a cama” ou “se não fizer logo, vai ficar de castigo”.

Quase todos usam óculos e eu já vi uns tirando os dentes e as gengivas.

Quando a gente faz uma pergunta, os avós não dizem: “menino, não vê que estou ocupado? ” Eles param, pensam e respondem de um jeito que a gente entende. Os avós sabem um bocado de coisas. Eles não falam com a gente como se nós fôssemos bobos.

Nem se referem a nós com expressões tipo “que gracinha! ”, como fazem algumas visitas. O colo dos avós é quente e fofinho, bom de a gente sentar quando está triste. Se todo mundo tivesse um avô ou uma avó, o mundo seria bem mais calmo e muito, muito, muito mais feliz.

sexta-feira, 21 de junho de 2019

DIGA-ME: QUEM E JESUS?

Imagine agora Jesus em pessoa perguntando a você: 

O que pensa sobre min? 

O que você sabe sobre a minha pessoa? 

Você realmente se interessa em conhecer-me cada dia mais? 

O que você pensa sobre tudo o que Jesus disse? 

O que você pensa sobre os milagres que Ele fez? 

E a pergunta mais importante. Você acha que já segue Jesus de verdade? Ou precisa se dedicar uma pouco mais pela sua salvação, engajando-se mais na Igreja? 

Jesus sabe tudo o que você pensa, ele não precisa perguntar nada. Como eu gosto de dizer: DEUS TA VENDO. Mas neste evangelho ele nos cutucando você para ver a sua reação, como o fez aos seus discípulos. 

Diríamos que Ele está colocando você contra a parede, para ver até onde vai a sua fé. Para ver se você é realmente é dos dele ou é dos outros. 

Você acredita que Jesus está bem aí do seu lado. E está perguntando: E você? Quem eu sou para você? 

Um jeito de sabermos quem é Jesus é lendo a Bíblia. Mais isso não basta, precisamos aprofundar. A homilia do padre ajuda, mas isso também não basta, faça retiros, leituras espirituais. É preciso ter fé alimentada em uma vida de oração, só assim Jesus Cristo deixará de ser uma história que ouvimos para se tornar um amigo com o qual nós convivemos. 

Pergunto eu: Você já teve uma experiência pessoal com Jesus? Já aconteceu algum milagre na sua vida? Se isso ainda não lhe aconteceu, corra em busca de razões para a sua fé, e você descobrirá que Ele é O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA. 

Quando Jesus pergunta: “Quem dizem os homens que eu sou?” Temos respostas erradas. Isso porque somente a razão humana, jamais alcançará o mistério de Cristo. A verdade sobre o Senhor Jesus somente pode ser compreendida à luz da fé. 

Fé só pode nascer em um coração humilde, a pessoas orgulhosa jamais poderá sentir o amor de Deus, e experimentar a doçura da salvação. 

Quanto já se disse de Jesus? Já o descreveram como um mero sábio, um pacifista, um revolucionário, até de extraterrestre já ouvi chama-lo. 

Mas, para nós cristãos, Jesus não é uma história que ouvimos dizer, mas um amigo que participa de nossa vida. E nessa convivência dia a dia ele vai se revelando como Deus e único Salvador. 

Queridos irmão e irmãs, o Senhor dirige a pergunta a nós, seus discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Todos nós devemos responder: 

Que papel desempenha na minha vida? 

Como me relaciono com ele? 

Procuro por ele na oração? 

Procuro de todo o meu coração viver na sua palavra? 

Estou disposto a viver minha vida de acordo com a sua palavra? 

Eu procuro participar da sua missão para a salvação da humanidade? 

São perguntas muito atuais, quando nosso mundo vira as costas para o Cristo. Acusando a Igreja de ultrapassada. Cada vez mais vemos o mundo declarando a sua independência de Deus. Até dizem ter fé em Deus, pedindo que ele resolva os seus problemas, mas muitos não estão dispostos a se deixarem guiar por sua Palavra. Por isso irmãos, mais que nunca, nós cristãos devemos proclamar com a palavra e com a vida que Jesus é nosso Senhor e salvador!

sexta-feira, 14 de junho de 2019

SANTÍSSIMA TRINDADE

O que dizer da Santíssima Trindade? Três pessoas um só Deus. 

De fato essa verdade que está muito acima da inteligência humana. Porém, muito mais importante do que compreender é crer e amar a Trindade Divina. 

Para tentar explicar o mistério da Santíssima Trindade, alguns catequistas a comparam a um bolo. Os três ingredientes básicos; a farinha, o ovo e o fermento tão diferente, e tão importantes que sem eles não teríamos o bolo, no entanto pegue o bolo e tente separar um do outro... 

Talvez esse exemplo até ajude, mas crer na Santíssima Trindade não é uma questão de culinária, de matemática ou de lógica, é uma questão de fé. 

Deus é Pai, Filho e Espírito Santo. Um mistério cuja razão não alcança, mas a fé sim; porque a fé é um dom de Deus. 

Ao Pai, se atribui de modo especial a obra da criação; ao Filho é atribuída a redenção da humanidade; e ao Espírito Santo, a renovação da vida. 

Três Pessoas um só Deus. É consolador sabermos que Deus não é egoísta, nem solitário. Deus é comunidade, é uma família unida no amor. 

Outra coisa, já repararam como mundo está cheio de sinais da Trindade, é o criador deixando a sua marca na criação. 

Por exemplo: 

Há três dimensões de espaço: comprimento, largura e altura. 

Há três reinos na natureza: mineral, vegetal e animal. 

Há três estados dos corpos: sólido, líquido e gasoso. 

Há três ambientes em que vivem os seres vivos: terra, água e ar. 

Há três etapas do tempo: presente, passado e futuro. 

Há três cores primarias: vermelho, azul e amarelo, das quais derivam todas as outras. 

O mais perfeito dos polígonos é o triângulo equilátero, que tem três ângulos iguais e três lados iguais. 

Há três pessoas do discurso: eu, tu, ele. 

Há três grandes áreas do trabalho humano: agricultura, indústria e serviços. 

Há os três poderes no governo democrático: legislativo, executivo e judiciário. 

Há três partes de uma redação: introdução, desenvolvimento e conclusão. 

Há três partes de um dissertação: tese, antítese e síntese. 

Há três etapas do método: ver, julgar e agir. 

A lista é longa meus irmão... 

Nem precisa ser uma pessoa de fé basta ser observador para perceber a assinatura do Deus trinada em todas as coisas. 

Mas, diante do mistério, o que nos cabe é adorar. 

Conta-se que certa vez São Tomás estava na praia... 

Deus é mistério! Infelizmente muitos querem entender Deus. Não devemos ir por esse caminho, pois nos surgirão dúvidas de fé. Como pode um Deus tão grande caber numa cabecinha tão pequenininha como a minha? 

De fato a nossa religião é cheia de mistérios: A Trindade, a Concepção Virginal, A Imaculada Conceição, a Transfiguração, a Transubstanciação... 

Os mistérios não são para serem entendidos, mas para serem adorados. 

Hoje somos convidados a adorar a santíssima trindade, o maior mistério da nossa fé. 

Não podemos explicar a Trindade Santíssima, mas devemos fazer todo o esforço para seguir o seu exemplo, vivendo o amor autêntico uns com os outros, amor fraterno sem egoísmo, que visa o bem estar do outro, nos libertando de todo o egoísmos e busca de benefícios pessoas. Ou seja, não exija que as pessoas te amem. Ame-as primeiro... Mas nunca seja possessivo, nem chato, se apegando demais. 

Vamos amar os nossos irmãos na prática, começando na nossa família. 

Pais amem seus filhos mais do que eles o amam. Lembre-se que amar é doar-se. Doe sua vida aos seus filhos esqueça as ingratidões deles. Faça a sua parte como o fez a Santíssima Trindade por você e por todos. 

Não Exija que seu marido ou esposa o ame. Conquiste-a diariamente, com gesto, carinho e atenção. 

Jovens, quer ter muitos amigos, seja amigo de muitos, seja você o amigo que você espera ter. 

Idosos, não viva se lamentando. Também não se entristeça se as pessoas não lhe dão mais atenção. Fica com Deus, que é a melhor companhia. Não fiquei com pena de você mesmo. 

Pense se não é hora de se redimir de todos os seus pecados, e procurar fazer, todo o bem que puder. Pare com esse mau humor. A velhice não é o fim da vida, mas uma nova maneira de viver. 

Ama e você será feliz. O verdadeiro amor é contagioso. 

Nos noticiários vemos notícias sangrentas de homens que não aceitando O FIM DO RELACIONAMENTO, matam a mulher amada. O tipo: SE VOCÊ NÃO FOR MINHA SÃO SERÁ MAIS DE NINGUÉM. 

Quem ama não mata! Só mata aquele que se uniu a alguém visando apenas à satisfação pessoal. Isso não é “amor” é um apego egoísta. 

Quem ama de verdade, gasta a sua vida pelo outro. 

Quem ama de verdade, não fica contabilizando o quanto gastou com o irmão que precisou dele. 

Quem ama de verdade, pratica um amor parecido com o amor de Deus. E Deus que vê tudo, nos recompensará. Pois “Quem dá um na Terra receberá cem nos céus”. 

Irmãos, tudo o que fizermos na vida, vamos fazê-lo em nome da Santíssima Trindade. Porque não iniciar cada dia, cada obra, cada decisão tomada, com o sinal da cruz? Vamos fazer o sinal do cristão sempre com muita convicção. Fazer o sinal da cruz em público, ao passar em frente a uma igreja, antes de uma refeição é uma forma de evangelizar, é uma demonstração de fé. 

Com muita alegria vamos de renovar a nossa fé, dar glórias a Trindade santa: Glória Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre, amém!

terça-feira, 4 de junho de 2019

OS DONS DO ESPIRITO SANTO


Papa Francisco

O Catecismo da Igreja Católica diz que: “Os sete dons do Espírito Santo são: sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus. Em plenitude, pertencem a Cristo, Filho de Davi. Completam e levam à perfeição as virtudes daqueles que os recebem” (n.1831). Tornam os fiéis dóceis para obedecerem prontamente às inspirações divinas. São Paulo lembra que “Todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus […]. Filhos e, portanto herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo” (Rm 8,14.17).

1- Dom de Ciência
O dom da ciência faz que o cristão penetre na realidade deste mundo sob a luz de Deus; vê cada criatura como reflexo da sabedoria do Criador e como caminho a Deus. Leva o homem a compreender o vestígio de Deus que há em cada ser criado. O homem foi feito para Deus e só n’Ele pode descansar, como disse Santo Agostinho. Por este dom o cristão reconhece o sentido do sofrimento e das humilhações no plano de Deus, que liberta e purifica o homem.

2- Dom do Entendimento / Inteligência
O dom do entendimento ou inteligência nos ajuda a penetrar no íntimo das verdades reveladas por Deus e entendê-las. Por ele o cristão contempla os mistérios da fé. É um entendimento diferente daquele que o teólogo obtém pelo estudo; o que é penoso e lento. O dom da inteligência é eficaz mesmo sem estudo; é dado aos pequeninos e ignorantes, desde que tenham grande amor a Deus.
Por esse dom conhecemos os nossos pecados e a nossa miséria. Os santos, quanto mais se aproximaram de Deus, mais tiveram consciência do seu pecado ou da sua distância de Deus.

3- Dom da Sabedoria
O dom da sabedoria nos dá um conhecimento da verdade revelada por Deus. Abrange todos os conhecimentos do cristão e os põe sob a luz de Deus, mostra a grandeza do plano do Criador e a sua onipotência. Vem da intimidade com o Senhor.

4- Dom do Conselho
O dom do conselho permite ao cristão tomar as decisões oportunas nas horas difíceis da vida, para que se comporte como verdadeiro filho de Deus. Isso, às vezes, exige coragem. Pelo dom do conselho o Espírito Santo nos inspira a maneira correta de agir no momento oportuno. “Todas as coisas têm o seu tempo, e tudo o que existe debaixo dos céus tem a sua hora […]” (Ecl 3, 1-8); fora desse momento preciso, o que é oportuno pode tornar-se inoportuno; nem sempre é fácil discernir se é oportuno falar ou calar, ficar ou partir, dizer “sim” ou dizer “não”.

5- Dom da Piedade
O dom da piedade nos orienta em todas as relações que temos com Deus e com o próximo. São Paulo se refere a isso: “Recebestes o Espírito de adoção filial, pelo qual bradamos: Abbá ó Pai” (Rm 8,15). O Espírito Santo, mediante o dom da piedade, nos faz, como filhos adotivos de Deus, reconhecer Deus como Pai. E, pelo fato de reconhecermos Deus como Pai, consideramos as criaturas com olhar novo. Este dom nos leva a considerar o fato de que Deus é sumamente santo e sábio: “Nós vos damos graças por vossa grande glória”. É o dom da piedade que leva os santos a desejar, acima de tudo, a honra e a glória de Deus. “Para que em tudo seja Deus glorificado”, diz São Bento. E Santo Inácio de Loiola exclama: “Para a maior glória de Deus”. É também o dom da piedade que desperta no cristão a inabalável confiança em Deus Pai, como, por exemplo, Santa Teresinha. Este dom leva o cristão a ver o outro como irmão e a amá-lo como filho de Deus.

6- Dom da Fortaleza
O dom da fortaleza nos dá força para a fidelidade à vida cristã, cheia de dificuldades. Jesus disse que “o Reino dos céus sofre violência dos que querem entrar, e violentos se apoderam dele” (Mt 11,12). Pelo dom da Fortaleza o Espírito Santo nos dá a coragem necessária para a luta diária contra nós mesmos, nossas paixões e problemas, com paciência, perseverança, coragem e silencio. Nos dá forças além das naturais. Esta força divina transforma os obstáculos em meios e nos dá a paz mesmo nas horas mais difíceis. Foi o que levou São Francisco de Assis a dizer: “Irmão Leão, a perfeita alegria consiste em padecer por Cristo, que tanto quis padecer por nós”.

7- Dom do Temor
O dom do temor de Deus nos leva a amá-Lo tão profundamente que tenhamos receio de ofendê-Lo. Nada tem a ver com o temor do mercenário ou o temor do castigo (do escravo); mas é o temor do amor do filho. É a rejeição que o cristão experimenta diante da possibilidade de ofender a Deus; brota das entranhas do amor. Não há verdadeiro amor sem este tipo de temor. Medo de ofender o Amado. Pelo dom do temor de Deus a vitória é rápida e perfeita, pois é o Espírito que move o cristão a dizer “não” à tentação. O dom do temor de Deus está ligado à virtude da humildade, que nos faz conhecer nossa miséria, impede a presunção e a vã glória, e assim, nos torna conscientes de que podemos ofender a Deus; daí surge o santo temor de Deus. Ele se liga também à virtude da temperança; combate a concupiscência e os impulsos desordenados do coração, para não ofender e magoar a Deus.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

ASCENSÃO

Queridos irmãos, o que ouvimos no Evangelho, não foi uma sugestão, nem um conselho que Nosso Senhor nos dá, mas sim uma missão: A Missão de ser testemunha da morte e ressurreição de Jesus. 

Para cumprir essa missão devemos testemunhar o amor de Deus nos ambientes em que vivemos: seja na vida em família, no trabalho, na comunidade. Isso não é fácil, requerem que saibamos responder as perguntas que nos fazem e esclarecer as falsas acusações que fazem contra a nossa Igreja. 

Por isso, precisamos fortalecer nossa identidade cristã, procurar fazer retiros, leituras espirituais, ouvir a Radio Aliança, os Canoas de TV Católicos, precisamos nos dedicar a conhecer cada vez mais o Cristo que amamos e anunciamos. 

Eu acredito que se formos verdadeiramente coerentes em nosso testemunho como cristão, se formos verdadeiramente homens e mulheres de Deus, podemos fazer a diferença, e quem sabe deixar o mundo um pouco melhor por termos passado por aqui. 

Basta que tenhamos coragem para dizer as pessoas com quem convivemos como é bom o Bom Deus, como é bom participar da Igreja, e contar com simplicidade o que Jesus já fez na tua vida. Contar como ele te salvou, como foi que Jesus mudou a sua vida. 

Quantas pessoas encontramos diariamente, angustiadas, perdidas, frustradas, infelizes, procurando sem saber ao certo nem o que buscam. 

Precisamos falar de Jesus, falar da Igreja, do grupo que eu participo, seja o Cenáculo, o ECC, o MCJ ou a Renovação Carismática... Tem tanta gente sofrendo porque ainda não se encontrou com Jesus. Ele é único capaz de preencher nossa vida de "sentido", de "verdade", "amor", "alegria" e "esperança". 

Fale de Jesus, fale quem é Jesus para você. Diga: 

- Jesus é aquele que morreu e Ressuscitou por nós. 

- Jesus é a porta para entrar na vida eterna. 

- Jesus é o meu Senhor e o meu Deus, o meu rei, o pastor, o meu Mestre. 

- Jesus é aquele me conforta em todas as minhas tribulações. 

- Jesus é misericordioso, bondoso, justo e poderoso. 

- Jesus é o pão descido do Céu, alimento da vida eterna, a força para vencer todas as batalhas dessa vida 

- Diga é Jesus quem me dá força para continuar a caminhada entre os espinhos da vida, as injustiças, a violência do nosso mundo e a maldade daqueles que não o aceitam. 

- Jesus é o Deus que está sempre conosco, o Emanuel. 

- Jesus é Aquele que lhe perdoa quantas vezes, confessar teus pecados ao padre. 

- Jesus é Aquele que me faz companhia nos momentos de solidão. 

- Jesus é Aquele que o ilumina os caminhos difíceis na estrada da vida. 

- Jesus é Aquele que pela sua infinita misericórdia quis habitar em nós por meio da Eucaristia. 

- Jesus é Aquele que na hora da nossa morte não nos abandonará. 

- Jesus é bondade, doçura, beleza, é a paz que todos procuram. 

- Jesus é a água pura que mata a sede da nossa alma, e nos acalma. 

- Jesus é o amigo que bate a nossa porta para estar conosco nas horas difíceis. 

- Jesus é tudo isso e muito mais. 

Nós que já o encontramos precisamos testemunha-lo aos nossos irmãos. 

A cada Santa Missa, quando vamos tomarmos a Comunhão. Peçamos a força do Alto como ele mesmo nos prometeu antes de subir ao Céu. A missão é difícil como disse no início mas não estamos sós, nós temos Jesus, ele subiu ao Céu mas continua conosco, pois ele mesmo nos diz: "Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo". (Mt 28,20). 

Antes da Páscoa ele estava limitado: podia estar somente num lugar e não em outro, podia falar com algumas pessoas, mas ficava distante das demais. Agora Jesus está livre de todas as limitações ele está no Pai, por isso está perto de cada um de nós, sempre, em qualquer lugar, em qualquer situação.

terça-feira, 28 de maio de 2019

BATISMO NO FOGO E NO ESPIRITO

O que significa ser batizado com o Espírito Santo e com fogo citado em Mateus 3,11? 

Alguns acreditam que tem haver com o falar em línguas. Acredito que não, pois eu mesmo nunca falei em línguas, e não julgo que tenha algo errado comigo. 

Para entender de forma correta, devemos fazer uma análise do texto dentro do contexto que se deu os fatos. 

O texto: “Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” 

O contexto: Muitos iam ver João Batista e ser batizados por ele, após estarem arrependidos de seus pecados. Mas iam também os fariseus e saduceus, a quem João Batista diz, nos versículos 7-10: “Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?” e mais: “Já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo”. 

Como vemos João questiona a falsidade e hipocrisia dos fariseus e saduceus. Eles estavam ali com outros objetivos, não com o de se arrependerem dos seus pecados e viver uma nova vida. O fogo citado aqui, claramente aponta para o julgamento de Deus e a condenação dos ímpios. 

É Dentro desse contexto João continua sua fala aos fariseus e saduceus e, claro, para aqueles que deveriam estar ali ouvindo toda essa conversa, explicando a eles da vinda do Messias, que seria maior do que ele e, estaria apto a oferecer dois batismos, sendo: o batismo com o Espirito Santo: é o batismo do arrependimento, a morte para a velha vida, a purificação dos pecados, a nova vida, etc. E o batismo com fogo: Esse é o batismo no qual os perversos serão batizados, conforme o próprio João explica na sequência: “A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível” (Mateus 3,12). 

Esse trigo que será recolhido no celeiro são os salvos, os batizados com o Espírito Santo. Já a palha que será jogada em fogo são os ímpios, batizados com o fogo do juízo de Deus. Como vimos, todo o contexto usa o fogo como símbolo do juízo de Deus sobre os perversos. 

Na Bíblia o fogo é símbolo de purificação, da provação, e do juízo. Como vimos claramente nesse texto, o batismo com fogo é claramente identificado como o batismo que Deus aplica nos ímpios, um batismo de condenação. 

Assim, meus amigos, a pessoa de fé não deve ser batizada com fogo, pois se o for, nem mesmo poderá mais ser chamado de fiel, pois, na verdade, nunca o foi. Se for batizado com esse fogo citado por João Batista, será um batismo de condenação. 

Mas vejamos o que é o batismo com o Espirito Santo. O Batismo do Espírito é algo totalmente visível, não pode ser reduzido a manifestação de línguas estranhas, mas de uma transformação de vida, que promove não somente uma conversão verdadeira, pela ação sobrenatural de Deus com poder e graça. 

Pense na imagem de uma manhã de Sol, onde a claridade invade a janela de uma casa e traz luz e calor. Eu costumo pensar do mesmo modo sobre o batismo do Espírito, é algo que nos ilumina e aquece, nos converte por inteiro ao Cristo e, assim como o Sol aquece nosso corpo físico, o Espírito esquenta nossos corações e, pode realmente fazer com que sejamos totalmente movidos pelo sobrenatural. 

Eu não estou, falando de um passe de magicas, que ignora a etapa de arrependimento. Aliás, vejo essa passagem como algo progressivo: Deus quis que o primeiro fosse conhecido o batismo de João, o batismo de arrependimento e confissão de fé, posteriormente nos trouxe o batismo de Jesus, a presença do Espírito Santo. 

Nesse contexto, para que sejamos dignos das promessas de Deus, forma cada um de nós precisa passar pelo fogo da provação, do arrependimento para a nossa purificação. 

O Ouro quando é encontrado na mina não é bonito, pois está cheio de impurezas, só depois de passar pelo fogo, é resplandece de beleza. 

Na verdade o Batismo do Espírito só virá quando depois de passar pelo fogo do arrependimento! 

O papa Francisco declarou recentemente que esse encontro com o Espírito Santo é uma necessidade para cada um de nós. 

O batismo do Espírito é algo tão poderoso, justamente porque não pode ser egoísta. Como diz em Atos 1: “recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra.” 

Ou seja, o batismo do Espírito nos enche de poder não somente para edificação pessoal, mas para a pregação do evangelho, para testemunhar aquilo que temos visto e ouvido. 

Capacitam-nos para a proclamação da verdade, assim como aconteceu com os apóstolos após receber o Espirito Santo, pregaram o Evangelho nos 4 cantos do mundo na entrega total de suas vidas. 

Eu quero convidar vocês nestes dias de novena a clamar pelo Batismo no Espírito, que é uma promessa para todos nós que realmente desejamos ver o Reino ser estabelecido na terra. 

Quero te convidar a tratar o batismo do Espírito como uma necessidade urgente e não somente como uma possibilidade. 

Que possamos receber uma porção de fé, arrependimento e expectativa que atraia o fogo do céu como algo que nos tomará por completo!

quinta-feira, 9 de maio de 2019

SER MÃE É PADECER NO PARAÍSO

No Evangelho desse dia das Mães, Jesus se apresenta como o “Bom Pastor”, não podemos deixar de lembrar que a mãe é pastora dos seus filhos, e manifesta muita bondade naquilo que faz. 

E mais o Pastor, conhece as suas ovelhas e as ovelhas conhecem o pastor. Quem conhece mais os filhos do que a mãe e essas da mesma forma são reconhecidas pelos seus filhos, até pelo cheirinho da comida que fazem. 

Assim como as ovelhas ouvem o pastor, as mães tem autoridade sobre seus filhos. Por exemplo, no dia das mães elas trazer seus filhos na Igreja para rezar. Garanto que todos os lugares as igrejas hoje estão mais cheias! Isso porque as mães sabem tocar os corações de seu filho. 

O amor de “Mãe” nos fala de Deus. 

Por exemplo: assim como uma mulher por puro amor teve o desejo de ser mãe, deste mesmo modo Deus, nos criou, por puro amor. 

Ou ainda, quando dizemos que mãe é quem cria, significa que ser mãe não é apenas colocar no mundo, mas ser presente no dia a dia dos seus filhos, dessa mesma forma o Bom Deus é nosso Criador, não porque nos colocou no mundo, mas, porque está ao nosso lado cada instante de nossas vidas. 

Sem esquecer que amor de mãe é incondicional, ou seja, nada que o filho faça fará que ela o ame menos, assim também é o amor de Deus por nós, que ama gratuitamente, sem esperar nada em troca, imagina se tivéssemos que pagar por tudo que recebemos de nossas mães; seria possível? Nem em sonho. Só no céu, como toda eternidade a disposição será possível expressar nossa inteira gratidão a nossa mãezinha. 

Para finalizar, outra linda comparação que podemos fazer é da mãe com a Eucaristia. Quando estamos ainda no ventre materno, nos alimentamos da própria mãe e não precisamos de mais nada. Na Eucaristia, nos alimentamos do próprio Deus e quando estamos com Deus nada nos falta. 

Lembro-me da história de uma mãezinha chamada Daniela que conheci quando morava em Canoas. Ela engravidou de seu terceiro filho. Só que os médicos diagnosticaram uma malformação, e sugeriram interromper a gestação. Mas ela sabia que a vida, é dom de Deus e não pode ser desprezada, por isso decidiu levar adiante a gravidez. 

Passando os meses, a gravidez foi ficando mais difícil. Chegando a um ponto de colocava em risco a vida da mãe, enquanto criança não tinha nenhuma chance de sobreviver. Mas Daniela estava disposta a dar a sua vida se fosse preciso, mas não iria interromper a gestação. 

Ela preparou o nascimento da sua filha. No dia da cesariana, me chamaram para acompanhar, quando nasceu a menininha, fiz seu batizado e logo ela faleceu. Daniela pediu para batiza-la com o nome de Celeste, porque ela tinha nascido para o céu, só que antes de morrer, sua mãe não poupou sacrifícios para que ela tivesse a chance ver a também a terra. 

Assim é as mamães, capazes entregar a vida pelos filhos, renunciando de si mesma para dar aos filhos o que eles necessitam. A exemplo de Cristo que deu a vida por nós. 

Pedimos nesse dia a Intercessão da Mãezinha do Céu por todas as mamães, que minore suas dores e sofrimentos, porque ser mãe não é padecer no purgatório, conforme o ditado “mãe é padecer no paraíso...” E pela intercessão de nossa Mãe Maria possa alcançar toda a felicidade que reside no coração de Deus. Amém. 

Mamães. Parabéns pelo seu dia! 

Termino com esse lindo poema de Mario Quintana: 

Mãe... São três letras apenas 
As desse nome bendito: 
Também o Céu tem três letras... 
E nelas cabe o infinito. 


Para louvar nossa mãe, 
Todo o bem que se disser 
Nunca há de ser tão grande 
Como o bem que ela nos quer... 


Palavra tão pequenina, 
Bem sabem os lábios meus 
Que és do tamanho do Céu 
E apenas menor que Deus!

sábado, 4 de maio de 2019

DEUS É NOSSA MELHOR OPÇÃO

É fácil dizer estou em paz, deito e durmo tranquilo, pois eu confio que Deus é pai e cuida de mim, quando tudo vai bem, quando a mesa está farta e quando todos em casa estão com saúde. 

Mas e quando vem à provação? Quando os planos fracassam? Quando veem perdas inesperadas? Quando não temos segurança do dia de amanhã eu ainda assim, deito e durmo tranquilo, pois eu confio que Deus é Pai e cuida de mim?

Deus permite que aconteçam provações, para testar a nossa fé, mas se estivermos atentos veremos que, mesmos em meio às provações tudo nos leva ao Onipotente. Mesmo no leito do hospital, o Bom Deus ali está na cama que me acolhe, no medico que me atende, na medicina que me socorre nos amigos e familiares que me rodeiam. 

Talvez não vejamos a Deus em pessoa, mas com fé veremos tudo o que ele criou, e isso nos encantam! Por isso eu digo, confia no Senhor, não tenha medo, confia em Deus, confia no Cristo VIVO.

A nossa fé não pode balançar. Temos provas suficientes de que Jesus não era um homem qualquer. Jesus é o Emanuel, o Deus conosco. Muitos creram nele e foram salvos. Esse mesmo Jesus que morreu na Cruz por amor de nós, vive e não morre mais. 

O Evangelho mostra a proximidade de Jesus com seus Discípulos, se preocupa com o trabalho deles que não ia bem, ajuda no sucesso profissional, e mais que isso oferece intimidade, pão quente e peixe assado. Eu cheguei a sonhar com esse pão quentinho feito por Nosso Senhor. Tenho certeza que você também adoraria um bocadinho!

Em outras palavras, JESUS É DEUS! Um Deus amor!

Assim, nós quando ouvimos o Evangelho, é a Deus que estamos ouvindo. Deus fala conosco por meio do Evangelho, e a cada vez que o lemos, descobrimos coisas novas, caminhos e soluções para os nossos problemas. 

Quando comungamos é exatamente esse pão quentinho que recebemos, o próprio pão do Céu. 

Simplesmente porque, Deus é a nossa melhor opção. Deus é a nossa melhor solução, o melhor plano de saúde, o melhor remédio, o melhor seguro de vida. 

Com Deus nós podemos tudo. “Aquele que crer poderá fazer tudo o que eu faço, e mais...” Diz o Senhor! 

Então, o segredo é que a solução de nossas aflições não vem de nós, nem pelas nossas forças ou capacidades, vem de Deus, nele está a solução para nossas vidas, precisamos ter fé. Tudo pé possível àquele que crer. 

Em Jesus, Deus Pai, estava bem ali diante de nós. Na palavra proclamada, no pão da Eucaristia, e no irmão que precisa de nós. 

Quando ignoramos a presença de Jesus, tudo corre mal e aí pode surgir a angústia, a tristeza, o desânimo, os problemas só aumentam. Como os discípulos que sem Jesus não pescaram nada, mas com Jesus a pesca foi abundante. 

Basta acreditar. Para sentir a presença divina aqui e agora, basta crer, ter ouvidos para ouvir, como sempre dizia Jesus no final de suas palestras. 

Jesus está aqui do seu lado neste momento. Ele está vendo o seu sofrimento, suas dificuldades. Mas ele precisa que você o deixe entrar na sua vida. Por isso abra a porta, faça uma oração sincera e fervora, deixe Jesus agir ele irá dar as soluções adequadas para os seus problemas.

Deus é a nossa melhor opção. Deus é a nossa melhor solução, o melhor plano de saúde, o melhor remédio, o melhor seguro de vida..

quarta-feira, 1 de maio de 2019

SÃO JOSÉ

Hoje a Igreja celebra a festa de São José operário, e por tanto, fazemos nossas homenagens ao trabalhador. Aquele que gera a riqueza da nação, aquele e aquela que trabalha muito e ganha pouco. Pois como diz o ditado: quem trabalha não tem tempo de ganhar dinheiro. 


Na verdade, só o trabalho gera riqueza. Pois mesmo se for encontrada uma imensa mina de ouro, será necessário muito trabalho, e muitos trabalhadores para extrair, transportar e depositar toda aquela riqueza. 

Precisamos valorizar mais aqueles e aquelas que na lavoura plantam e colhem o nosso alimento, aqueles e aquelas que na cidade, limpam as nossas ruas, cuidam da nossa segurança, educam as nossas crianças, transportam tudo o que consumimos, o comunicador que nos diz a verdade nos livrando do fake News e muitas outras coisas mais. 

O trabalho nos dá dignidade e identidade, pois quando perguntamos a alguém o que você é em geral ouvimos: sou padeiro, sou costureira, sou professor. Essas e outras profissões indispensáveis para a nossa vida. 

Portanto, hoje rendemos as nossas homenagens a todos trabalhadores. 

Jesus, nos mostra que quem quer ser o maior deve ser aquele que serve a todos. E é isso que faz o nosso trabalhador, assim como o fez José operário, pai adotivo de Jesus. 

Jesus até os seus 30 anos de sua vida deve ter passado em uma carpintaria, digna profissão que aprendeu com José o carpinteiro, o seu tutor. 

A vida cristã não é feita de grandes lances, como o querem muitos. Assim, a nossa fé é composta das pequenas coisas do nosso dia a dia, do trabalho diário feito com dedicação e amor. 

O trabalho dá saúde ao corpo e paz a nossa alma. Por que o dinheiro honesto, e suado, usado para o sustento da família, e abençoado por Deus, que tem seus olhos voltados para os humildes. 

Mas todos somos filhos de um Pai poderoso que nos ama, e nos atende quando recorremos ao seu socorro com fé, humildade e esperança.

quinta-feira, 25 de abril de 2019

CRER PARA VER


Antes do encontro com o Cristo Vivo, os discípulos estavam arrasados, cabisbaixos e desencorajados. Trancados dentro de casa com as luzes apagadas, apavorados pois corriam o risco de serem presos e crucificados com o Mestre. Até que o encontro com o Cristo Vivo, mudasse as nossas vidas. Nesse momento, todo o medo vira coragem, toda a dúvida vira certeza e toda tristeza vira alegria. 

O encontro com o Cristo Vivo é transformador, modifica completamente as nossas vidas, se você já teve esse encontro sabe exatamente do que eu estou falando, se ainda não teve se apresse procure por ele pois o Senhor quer ser encontrado.

Concordo que a realidade da Ressurreição é muito complicada para o nosso entendimento humano, e que acaba trazendo dúvidas ao nosso coração. A dúvida não deve ser motivo de vergonha, mas sim de procura pela verdade. Arrisco dizer que quem nunca sentiu dúvida, nunca acreditou de verdade.

Tenho para mim que se milhares e milhares de pessoas, das mais simples as mais letradas, no decorrer dos milênios, acharam motivos para acreditar e você ainda não achou as razoes para acreditar, significa que você até agora procurou muito pouco pelas respostas as suas dúvidas. 

É hora de ler mais a Bíblia, estudar mais a doutrina e rezar muito, muito mais. Eu garanto é melhor correr atrás da verdade, do que simplesmente virar as costas e dizer eu não acredito, ou pior ainda fazer de conta que acreditamos. 

Repito a dúvida não é uma doença incurável, ela é até importante, porque nos faz procurar a verdade. Foi o que aconteceu com o São Tomé. Muitas vezes a nossa vida é marcada pela dúvida, pelo sofrimento e pela incerteza. 

Vejam os apóstolos, logo após a morte de Jesus, eles se sentiam desprotegidos e ameaçados. Por isso, ficaram trancados e cheios de medo. 

Provavelmente, diante de qualquer ruído, seus corações disparavam de medo. A falta de fé traz insegurança. Mas, toda a angústia termina quando se encontram com o Cristo Vivo. Não é por acaso que suas primeiras palavras são: “A paz esteja convosco”.

São Tomé no entanto não ficou em paz, pois ele não estava com a comunidade, e pior não acreditou no testemunho da sua comunidade. Quis ver para crer. O mérito de Tomé está no fato dele jamais ter se afastado de sua comunidade e de não sair pelas esquinas da vida à procura da verdade. Na semana seguinte lá estava Tomé, reunido com a sua comunidade e lá em comunidade tem seu encontro com o Cristo Vivo.

Irmãos na comunidade de fé, na Igreja e com a Igreja que fazemos a experiência do Cristo Vivo. Quem frequenta a Igreja de verdade jamais se sentirá, inseguro. 

Jesus é a Paz! Ele nos dá a sua paz. 

O Evangelho nos lembra que de formar muito particular, a estar em paz depende de uma consciência tranquila, que só nos é acessível pelo perdão de Deus. O Senhor mesmo que disse: “A quem perdoarem os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”. Esta missão, Jesus a deu para os Seus Apóstolos, ao Bispos seus legítimos e sucessores e aos padres seus auxiliares. 

Muitas pessoas fazem as experiência do Cristo vivo, nos momentos felizes, na participação da Eucaristia, na vida da comunidade, outros só farão essa experiência se colocarem o dedo nas marcas dos pregos de Jesus como fez Tomé. Entendemos que colocar as mãos nas chagas de Jesus para nós, muitas vezes é viver o sofrimento e experimentar a dor. Quantos que só depois de uma grande dor, uma perda irreparável, fazem a descoberta do amor misericordioso de Deus. 

“Felizes os que creram sem terem visto!” Felizes, portanto, são os que sem experimentar a dor confiam que Jesus está vivo.

sexta-feira, 5 de abril de 2019

QUEM ATIRARÁ A PRIMEIRA PEDRA?

Levaram a Jesus uma mulher surpreendida em adultério. Eles queriam saber qual seria a atitude de Jesus. Não era a mulher a ser julgada mas Nosso Senhor. 


Se Jesus perdoasse a mulher iria contra a Lei, se Jesus condenasse, eles o acusariam de crueldade, e estaria indo contra sua própria pregação de perdão e misericórdia. 

Com certeza passam boas horas mais ocupados em preparar armadilhas e emboscadas para pegar Nosso Senhor em alguma contradição do que em praticar o bem. 

Como no caso, sobre pagar imposto a César: Se Jesus responde-se tanto sim ou não estaria perdido, pois ou estaria contra o Império Romano ou contra o seu povo. Mas Jesus não responde nem sim e nem não, mas, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. 

Outro caso foi quando Jesus curou um homem em dia de sábado quando pela lei era proibido fazer qualquer obra. Eles se reúnem para planejar uma forma de mata-lo, e Jesus denuncia a hipocrisia deles perguntando: no sábado é permitido fazer o bem ou o mal? 

Jesus sabia que estavam armando mais uma arapuca para Ele. Pois não estavam preocupado com a moralidade ou com a justiça mas apenas buscavam uma forma de acusa-lo. As pedras que eles carregavam não eram para a mulher mas para Jesus. 

Mas uma vez Jesus desmascara a hipocrisia deles dizendo: “Quem estiver sem pecado pode atirar a primeira pedra.” 

Ninguém atirou pedra nem uma, apenas envergonhados retiram-se em silencio. 

Quando Jesus ficou só com a mulher. Não lhe chama atenção, não pede explicações. Nosso Senhor apenas disse: Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou? Eu também não te condeno. Poder ir, e de agora em diante não peques mais. 

Alguém pode perguntar: 
Então não temos de combater o mal? 
Não temos de denunciar as coisas erradas? 

Sim. Mas façamos isso com Jesus nos ensinou. A correção fraterna deve ser feita com caridade. Corrigir o irmão sem querer acabar com ele. Condenar o pecado e não o pecador. 

Deus está mais interessado no perdão do que no castigo, ele não quer a morte do pecador mas que se converta e viva. O que para nós é uma ótima notícia uma vez que somos todos pecadores! 

Já conheci muitas pessoas que julgam seus pecados serem imperdoáveis, pensam que por terem cometido barbaridades não têm mais chances com Deus. 

Jesus Cristo, vem nos dizer justamente o contrário: “eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”. Ele compara o pecador a alguém que está doente e, por isso, precisa de médico. 

Ora, quanto mais enfermo alguém está mais precisa do médico, assim também, quanto mais afundado no pecado mais precisamos de Jesus. 

Para Jesus, não importa o nosso passado, o que vale é a nossa disposição para a mudar de vida!

sexta-feira, 29 de março de 2019

O FILHO PRÓDIGO

A grande lição da parábola do filho pródigo é que Deus está mais empenhado em nos salvar do que em nos castigar. 

O pai que todo dia olhava o caminho esperando ver o seu filho voltar, representa Deus que todo dia nos oferece uma nova chance de nos arrepender e deixar o pecado que nos humilha. 

O amor de Deus é imenso. Ele está sempre disposto a nos perdoar, e esperando para nos abraçar, como aquele pai da parábola. 

Quando nos afastamos da presença de Deus somos invadidos por uma sensação de VAZIO e TRISTEZA, que os prazeres da vida não podem preencher. 

A herança que o Pai do Céu nos deu, é a nossa vida. Uma herança de valor inestimável. Quem oferecesse uma grande fortuna em troca da nossa vida seria tratado com desprezo. Desperdiçar a herança e viver longe de Deus, gastando a nossa vida com egoísmos e vaidades, que não constroem nada, nem amizades, muito menos uma família. Até que um dia a pessoa descobre que é tão pobre que não tem mais nada na vida só dinheiro. E dinheiro não o consolará nas aflições. 

Há quem se sinta como o irmão injustiçado pela reação do pai de fazer uma festa para o vagabundo do filho que voltou para casa depois de gastar toda a sua parte na herança, em vez de bater-lhe a porta na cara. 

Tem gente que fica revoltado com Deus por Ele não castigar os malvados, enquanto nós que damos uma dura, trabalhando honestamente, continuamos passando às vezes por dificuldades e necessidades... São pessoas mais a favor da justiça do que da misericórdia. São pessoas que só enxergam o tempo presente. Porém, não é assim. Quem acredita na eternidade, sabe que tempo presente deve ser vivido como preparação para o céu, sem apegos exagerados, sem magoas, sem ressentimento. O tempo presente deve ser vivido como tempo de perdão e misericórdia. Pois ajustiça de Deus é muito superior mais perfeita que a humana. 

Esta parábola nos mostra que a justiça de Deus é a misericórdia! Misericórdia que nós não podemos quere somente para nós. 

Nós queremos sempre o perdão dos nossos pecados e erros, como poderemos querer somente o castigo para os demais. Todos que erram devem ser condenados, não podemos esquecer que estamos no mesmo barco. 

Vejamos, como Jesus retratou o Pai do Céu nesta parábola! Um Deus que nos ama, um Pai que espera todo dia que voltemos para Ele. 

O Evangelho nos chama a reconhecer os nossos pecados, e buscar o perdão de Deus através de uma confissão. 

A alegria na recuperação do filho morto que voltou a viver, a alegria de ter de volta o que se perdeu. Também nós experimentamos pela absolvição dos pecados. 

Porém, para experimentar essa alegria não podemos nos esquecer do propósito de uma mudança radical da nossa vida, como o fez aquele filho errante: 

“Tendo-me levantado, irei a meu pai e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e diante de ti. E de modo algum sou digno de ser chamado teu filho, aceita-me como um de teus empregados.” 

Arrependimento é o sincero desejo de mudança, comprometimento de esforçar-se de fato em mudar de comportamento. Acho estranho quando alguém toda a semana vem confessar o mesmo pecado. Não seria mais verdadeiro, fazer um esforço real de evitar o pecado ao menos por 30 dias, para provar para sí mesmo seu real arrependimento, para depois buscar a graça da reconciliação sacramental. Confessar repetidamente os mesmo pecado pode ser uma até uma acomodação, tipo: “tanto faz, depois eu vou lá e me confesso.” 

Devemos mudar a nossa visão de Deus, e consequente devemos mudar também a nossa relação com o Pai. A parábola do Filho Pródigo nos lembra que Deus não é um Juiz impiedoso, e que nossa convivência com Ele e com o irmão deve pode ser melhorada diariamente.

sexta-feira, 22 de março de 2019

TRAGÉDIAS - CONVITES A CONVERSÃO

Nesse período de preparação para a Páscoa a Igreja nos propõe um tempo de penitência que nos ajude em nossa conversão pessoal. Quanto à essas penitências precisamos entender que se está sendo fácil é porque não estamos fazendo direito. Pois se não exige esforço, renúncia, mudança de hábitos, não é penitência. 

Viver de fato a Quaresma nunca é fácil porque exige mudar tudo aquilo que precisa ser mudado em nós.

Mudanças de comportamento sempre é difícil, pois, o modo de agir, é parte de quem somos de nossa personalidade, e tem gente que diz “eu sou assim mesmo, quem quiser gostar de mim tem que me aceitar como eu sou”. Mas na verdade nós não somos assim, nós estamos assim, sempre podemos mudar para ficar mais de acordo com o que Deus nos pede. 

O Evangelho nos fala de tragédias que aconteceram com alguns galileus. Nós brasileiros também passamos por tragédias terríveis esse ano: Brumadinho, os meninos do flamengo, os 14 que se afogaram com as enxurradas em São Paulo, as vítimas na escola de Suzano... 

Vemos muita gente querendo achar os culpados. Mas se pararmos para pensar achar o culpado vai reparar as perdas? Aliviar o sofrimento? Prevenir que isso não se repita? Será? Será que é possível fazer justiça nesses casos?

Concordo que temos que responsabilizar os verdadeiros culpados, mas o importante é enxergar a realidade como sinal, como aviso. Assim além de procurar culpados, deveríamos nos ocupar mais com a nossa conversão, estar preparados como nos aconselha Jesus. Pois quem está livre de uma tragédia como essa? Quem pode dizer que está seguro? Quem pode dizer que comigo não vai acontecer?

Foi nesse contexto que Jesus contou a parábola da figueira, para ensiná-los a se preocuparem mais em fazer o bem, produzir bons frutos.

A parábola da figueira quer mostrar como Deus é solidário e paciente. A figueira é uma árvore comum na Palestina, que produz quase o ano todo, naquele clima.

Nessa parábola a figueira representa o povo, todos nós. Quem Plantou a figueira, no caso o patrão é Deus Pai. O agricultor é Jesus. Os três anos é o período da pregação de Jesus, da qual se esperava frutos em abundância. O patrão é rigoroso na sua decisão, se não produzir frutos, vai arrancar a figueira, arvore ociosa que não produz frutos, não merece viver.

O mesmo vale para quem ouve a palavra de Jesus, mas não muda seus comportamentos, continua egoísta, impaciente, agressivo, intolerante, imoral, ou seja não produz frutos de conversão de vida nova, não merece a vida eterna no céu, como a figueira estéril será arrancado e lançado no fogo. 

No entanto o agricultor intervém, ele pede mais um tempo, vai adubar, vai cuidar, afofar a terra. Jesus é o agricultor, aposta nas pessoas, dando-lhe mais uma oportunidade de mudança. Deus é solidário e misericordioso, quer a salvação para todos. 

Estamos vivendo a quaresma, tempo de conversão, todos somos convidados mudanças para melhor. Infelizmente a maioria das pessoas passam pela quaresma sem mudar em nada. Ir à Igreja e não praticar a fé, e não produzindo frutos bons, conforme a vontade de Deus é ser igual à figueira que não dava frutos.

Vamos aproveitar esse tempo da quaresma, que é o tempo certo para mudanças. É o agricultor Jesus que com sua palavra e com seu corpo e sangue na Eucaristia aduba nossa vidas na fé, na esperança e no amor, para que possamos nos alimentar dele e ser também mais amorosos, mais fraternos, mais justos, mais solidários e misericordiosos.

Ainda é tempo vamos aproveitar esse tempo favorável.
Related Posts with Thumbnails